Válvula EGR

Os sistemas EGR têm sido usados em veículos há muitos anos. O principal objetivo do sistema é controlar as temperaturas da câmara de combustão. Isto é feito para reduzir a quantidade de óxidos de Nitrogênio (Nox) no escapamento. Embora o EGR seja necessário para controlar emissões de Nox, o mesmo também afeta a eficiência volumétrica.

A válvula EGR linear propicia uma ligação entre a admissão de ar e o sistema de escapamento. Normalmente, o motor puxa ar através do corpo de borboleta para o coletor de admissão. A válvula EGR linear é colocada numa posição tal que, quando a mesma é aberta, um pouco de gases de escapamento flui também para a admissão.
Conforme o pistão se move para baixo no curso de admissão, a combinação de ar/combustível e escapamento entra na câmara de combustão. Embora o volume de gases entrando na câmara de combustão seja o mesmo, haverá menos ar para queimar quando o combustível é inflamado, de modo que a temperatura e a pressão do cilindro diminuirão. Menos oxigênio e temperaturas mais baixas equivalem a uma queda nos níveis de Nox.

Visto que a pressão no cilindro é quem empurra o pistão para baixo, o desempenho do motor pode ser afetado pela diminuição na pressão do cilindro.
Atualmente existem motores que não utilizam válvulas EGR. Isto é obtido de uma combinação de projeto de motor e calibrações computadorizados de controle de alimentação e tempo. Com a sobreposição apropriada da válvula, as temperaturas do cilindro são controladas e as emissões de Nox, reduzidas.
A válvula EGR encontra-se localizada num tubo entre os coletores de escape e de admissão. Quando é aplicado vácuo pela válvula reguladora de vácuo EGR, o diafragma abre a sede da válvula contra a pressão de uma mola e permite a entrada dos gases de escape. A sede da válvula é fechada novamente pela pressão da mola quando o vácuo deixa de ser aplicado.
A válvula EGR é aberta de acordo com as condições de funcionamento do motor e os valores de regulagem para recirculação dos gases de escape estão memorizados no módulo de injeção eletrônica.




Válvula reguladora de vácuo EGR

A válvula reguladora de vácuo EGR encontra-se localizada no tubo de vácuo que vai do coletor de admissão para a válvula EGR.
Quando a válvula reguladora de vácuo EGR fica sem alimentação de tensão, o vácuo atua sobre o prato metálico da válvula que se encontra pressionado contra a sede da válvula pela força da mola, e o vácuo é reduzido pela entrada do ar fresco. Este ar passa através de um filtro de espuma no alojamento superior da válvula reguladora de vácuo. O vácuo restante não é suficiente para abrir a válvula EGR.
A válvula reguladora de vácuo é desacoplada através de um ponto de estrangulamento na ligação do tubo flexível do tubo de vácuo para o coletor de admissão, de forma que a pressão possa ser regulada. Quando a válvula reguladora de vácuo é acionada por impulsos de massa, através do módulo de injeção eletrônica, o campo magnético da bobina aumenta a força de fechamento da válvula de sede plana, dado que o prato em ferro da válvula é atraído magneticamente. Isto permite a criação de um vácuo que atua sobre o diafragma da válvula EGR, abrindo-a.
O vácuo na válvula reguladora de vácuo pode ser controlado pelos impulsos de massa variáveis. Deste modo, a válvula EGR é aberta de forma que a recirculação dos gases de escape no circuito fechado esteja de acordo com os valores específicos no mapa memorizado no módulo de controle do motor.

"Copyright (C) 2001-2002 - Direitos reservados e registrados pelo escritor Paulo G. Costa"